VICE-PRESIDENTE DA VENEZUELA NEGA ASSUMIR PODER EM LUGAR DE CHÁVEZ

CARACAS, 1 JUL (ANSA) – O vice-presidente da Venezuela, Elías Jaua, julgou hoje desnecessário ativar o mecanismo constitucional para assumir o lugar do presidente Hugo Chávez, que admitiu ontem ter se submetido a uma cirurgia para a retirada de um tumor cancerígeno.
   
“Não acreditamos na necessidade de ativar esse mecanismo. Na Venezuela há uma estabilidade política, temos um presidente em pleno exercício que é Hugo Chávez”, afirmou.
   
Jaua, em declarações à emissora de rádio Caracol, esclareceu que sua função será a de coordenar os ministros que integram o gabinete de Chávez, sem assumir a Presidência.
   
Segundo o vice-presidente, a incerteza criada pelas escassas informações do estado de saúde do mandatário aconteceu porque “não podemos atuar diante de uma situação tão delicada com bases em especulações” e, por isso, Chávez esperou as respostas médicas necessárias para se explicar aos venezuelanos.
   
Jaua também respondeu à oposição que pede que ele substitua o chefe de Estado: “Não se equivoquem, senhores da direita, eu sou um homem de honra, lapidado nos valores da lealdade, da amizade e dos princípios. Vou defender com minha própria vida o mandato constitucional do presidente”.
   
Ainda hoje, o presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, enviou uma mensagem para seu par venezuelano, por meio de seu perfil no microblog Twitter, na qual escreveu: “Fazemos votos pela saúde e pronta recuperação de Chávez, a quem expressamos toda a nossa solidariedade”.
   
O chefe de Estado do Peru, Alan García, em seus últimos dias de governo, também expressou sua “comoção” diante do anúncio da doença do líder venezuelano. “Acredito que devemos fazer todos os votos e elevar as nossas orações para que o presidente Hugo Chávez, irmão latino-americano, possa superar essa situação”.
   
García esclareceu aos jornalistas que “respeita profundamente” seu par e que, apesar das divergências iniciais, “tivemos uma relação humana, próxima e fraterna”. (ANSA)