Tunísia realiza eleições no domingo, nove meses após revoltas

A Tunísia realiza neste no domingo (23) eleições para eleger uma Assembleia Constituinte, nove meses depois da queda de Zine El Abidine Ben Ali, expulso por um movimento popular após 23 anos de poder absoluto. A eleição foi iniciada na quinta-feira (20) com a votação dos tunisianos que vivem no exterior, que votarão em consulados e embaixadas durante três dias e até sábado (22).
No total 7,3 milhões de eleitores potenciais devem pronunciar-se frente a cerca de 1,5 mil listas de partidos e pessoas independentes. Serão eleitos 217 membros. A futura assembleia terá como tarefa principal a redação de uma nova Constituição, a terceira na Tunísia depois das de 1861 e 1959. Ela elegerá também um presidente provisório que designará um primeiro-ministro para a liderança de um governo de transição que permanecerá até a realização de eleições gerais.

O modo de eleição proporcional foi adotado para favorecer os pequenos partidos entre centenas que apareceram desde janeiro. O partido islâmico Ennahda, ilegal durante longo tempo, é o grande favorito segundo as pesquisas. Frente aos temores que gerava, divulgou uma imagem de moderado e propõe um governo de ampla unidade “onde todos os tunisianos serão representados”.

O Partido Democrata Progressista (PDP, centro-esquerda), cujo líder, Ahmed Néjib Chebbi, havia enfrentado diretamente Ben Ali, apresenta-se como a principal alternativa frente ao Ennahda. O Ettakatol (Fórum), próximo ao Partido Socialista francês, é conduzido por seu líder Mustafah Ben Jaafar.

Na esquerda, o Pólo Democrata Modernista, Ettajdid (ex-comunista), reúne cinco pequenas formações em torno de um projeto laico. O Partido Comunista dos Operários Tunisianos (PCOT, extrema-esquerda) é conduzido por Radia Nasraoui, renomada advogada e mulher do líder PCOT Hamma Hammami. É uma das poucas mulheres que lideram uma lista, apesar da obrigatória paridade entre homens e mulheres.

Outra das forças é formada pelos herdeiros declarados ou não da União Constitucional Democrática (RCD), partido de Ben Ali dissolvido após sua queda. Um número importante de “independentes” que se apresentam traduz, segundo os especialistas, a desconfiança frente aos partidos suspeitos de querer se aproveitar dos frutos de uma revolução da qual não foram promotores. A grande incógnita dessas eleições é o índice de participação dos eleitores.

Fonte: Opera Mundi