EUA e Europa pressionam Assad sobre armas químicas da Síria

Secretário de Estado dos EUA, John Kerry, fala em coletiva de imprensa ao lado dos chanceleres da França, Laurent Fabius, e da Grã-Bretanha, William Hague

França, Grã-Bretanha e Estados Unidos aumentaram a pressão nesta segunda-feira sobre o presidente sírio, Bashar al-Assad, para que siga o acordo sob o qual a Síria abriria mão das armas químicas e alertaram que o país sofrerá as consequências se não cumprir com o acetrado.

Hollande humilha a França

A França socialista tornou-se submissa parceira dos EUA na questão síria.

Por Rui Martins – O que diria o velho De Gaulle ao ver a França, governada pelo socialistas, se ter colocado na humilhante posição de bombardear a Síria se o Congresso americano assim decidir ? Mesmo se 64% da população francesa se declara contra qualquer tipo de ataque, seja o pretensamente cirúrgico, ou francamente destrutivo como acabaram sendo os ataques contra a Líbia.

Assad promete limpar o país das “forças extremistas”

Mohammed al-Buti discursando em frente a uma mesquita

O presidente sírio, Bashar al-Assad, prometeu nesta sexta-feira limpar o país das “forças extremistas” acusadas por ele ​​de terem assassinado um líder clérigo muçulmano sunita que apoiava a batalha de dois anos do governo contra rebeldes e manifestantes. Assad fez a promessa em uma mensagem de condolência pela morte de Mohammed al-Buti, que morreu junto com dezenas de fiéis em um bombardeio a uma mesquita de Damasco, na quinta-feira.