Organização de Cooperação de Xangai deve reforçar segurança

A Organização de Cooperação de Xangai comemorou nesta quarta-feira (15) o seu décimo aniversário com uma cúpula na qual a China defendeu o reforço aos mecanismos de segurança contra problemas como o terrorismo, o separatismo e o extremismo.
O presidente Hu Jintao também advogou pela ampliação da interoperatividade dos países membros ante outras ameaças, como o narcotráfico e o crime organizado, de acordo com informações procedentes da sede do encontro, Astana, a capital do Cazaquistão.

Referindo-se às prioridades do grupo, que também é composto por Rússia, Quirguistão, Tadjiquistão e Uzbequistão, o presidente chinês pediu para aumentar a cooperação econômica e facilitar o comércio e o investimento. Também defendeu promover a conectividade na infraestrutura de transportes, energia e telecomunicações, bem como orientar a região rumo à integração econômica.

Ele acrescentou que seu país continuará a fornecer empréstimos preferenciais aos membros da Organização de Cooperação de Xangai e que tratará de converter o Foro Econômico Europa-Ásia e a Expo China-Ásia-Europa em plataformas de cooperação para impulsionar de melhor maneira o desenvolvimento e a prosperidade.

Para a China, que detém a presidência rotativa da organização até maio próximo, os resultados mostram que esta entidade é importante para salvaguardar a paz e a estabilidade regionais. A esta organização estão ligados a Índia, o Irã, a Mongólia e o Paquistão como observadores, enquanto a Bielorrússia e o Sri Lanka são parceiros de diálogo.

Fonte: Prensa Latina