Países do Brics pressionam a ONU por assento no Conselho de Segurança

27/3/2013 13:00
Por Redação, com agências internacionais - de Durban, África do Sul


Dilma cumprimenta os demais integrantes do Brics, na reunião desta quarta-feira, em Durban, África do Sul

Dilma cumprimenta os demais integrantes do Brics, na reunião desta quarta-feira, em Durban, África do Sul

A presidenta Dilma Rousseff apontou, em discurso durante a 5ª Cúpula do Brics ( grupo que reúne Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), a necessidade de reformas do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) e do Fundo Monetário Internacional (FMI). Dilma disse que é necessário dar mais espaço, nos órgãos multilaterais, aos países em desenvolvimento.

– Nesses fóruns é importante que se reflita o peso do Brics e dos países em desenvolvimento para que a governança seja mais democrática – destacou a presidenta, que discursou por duas vezes, nesta quarta-feira, durante o encontro.

Para a líder do governo brasileiro, além do Conselho de Segurança, será necessário modificar também a estrutura do FMI de tal forma que os países em desenvolvimento tenham mais espaço, que a equipe do fundo reflita a diversidade de nacionalidade, gênero e formação acadêmica e profissional, assim como modernize as linhas de pensamento no que se refere às economias mundial e domésticas, superando a prevalência daquela linha defendida pelas economias capitalistas do Ocidente e do Japão.

A reforma do Conselho de Segurança, segundo Dilma, será responsável pela definição de políticas de preservação da população civil e cuja estrutura é do final da 2ª Guerra Mundial. Atualmente, o órgão tem 15 assentos, dos quais apenas cinco são permanentes, os demais são rotativos e substituídos a cada dois anos.

O primeiro-ministro da Índia, Manmohan Singh, também apoiou as reformas defendidas por Dilma. Segundo o indiano, a reforma do conselho deve visar ao combate à pirataria e ao terrorismo.
– Usando a sabedoria e a capacidade para ultrapassar esses desafios, reafirmando a importância que coloca o trabalho do Brics para o benefício dos povos do mundo – afirmou Singh.

Menos pobreza

Ainda segundo a mandatária brasileira, o desafio do Brics, hoje, é superar as dificuldades econômicas e sociais para atingir o mesmo nível dos países desenvolvidos. Dilma reiterou que a crise econômica, que afeta principalmente os europeus, não pode contagiar o Brics e os países emergentes. Para a presidenta, os desafios estão centrados na superação de dificuldades econômicas, na preservação de direitos sociais e na proteção do meio ambiente.

– Não podemos permitir que os problemas dos países avançados criem obstáculos para os nossos países. Nosso desafio é encontrar um caminho mais vigoroso – ressaltou.

Dilma disse que um dos principais efeitos da crise econômica internacional é a redução da oferta de empregos. Para ela, é fundamental que sejam feitos esforços conjuntos “para a recuperação da economia internacional”.

– Hoje temos de ter em mente: fazer um grande esforço. Se faltam oportunidades de investimentos nas economias avançadas, vamos criar fontes de financiamento – destacou.

A presidenta lembrou que os países do Brics conseguiram superar as dificuldades, provocadas pela crise, a partir de 2008.

– Temos força suficiente para responder com responsabilidade – disse ela, lembrando que a Rússia, na presidência rotativa do G20 (grupo de países mais desenvolvidos do mundo) terá muito o que fazer.

Segundo Dilma, a pauta no G20 deve ter como foco o desenvolvimento global, envolvendo infraestrutura e a geração de emprego. Ela disse que, embora o cenário de 2013, seja “um pouco mais promissor” do que o de 2012, é visível que “muitos dos países desenvolvidos continuam a prometer, principalmente na taxa de desemprego”.

Solução econômica

Para a presidenta Dilma, uma das soluções para ampliar as opções de financiamento para os países do grupo foi a criação do Banco do Brics, que vai colaborar para o desenvolvimento da região e dos países emergentes. Segundo Dilma, o banco é um esforço para instituir mecanismos mútuos de apoio.

–É um banco talhado para as nossas necessidades. Temos de estreitar laços e criar mecanismos de apoio mútuos. É um mecanismo de estabilidade que pode criar linhas recíprocas de crédito, fortalecendo a solidez do mercado internacional – acrescentou.

A instituição bancária terá os mesmos moldes do Banco Mundia (Bird). Cada país que integra o Brics deverá destinar US$ 10 bilhões para formar o capital inicial do banco, que deverá chegar a US$ 50 bilhões. O banco centrará as ações no financiamento de infraestrutura e atuará em concorrência direta com o Bird. O objetivo é que a nova instituição bancária seja uma espécie de alternativa ao Banco Mundial e ao Fundo Monetário Internacional (FMI). Dilma destacou também a importância de manter uma posição de otimismo, mesmo diante das dificuldades causadas pela crise econômica internacional, que atinge principalmente os 17 países da zona do euro.

– Devemos ter o otimismo e o dinamismo, reiterar a confiança e manter uma atitude contra o pessimismo e a inércia que atingem outras regiões. Vamos responder a essa crise com vigor – disse a presidenta que também elogiou a criação de um fundo para ajudar os países emergentes.

A proposta do grupo é estabelecer um fundo, com recursos de aproximadamente US$ 100 bilhões, para apoiar os países emergentes imersos em problemas financeiros.






Os comentários às matérias e artigos aqui publicados não são de responsabilidade do Correio do Brasil nem refletem a opinião do jornal.

Deixe um comentário