Chefe do Exército de Israel critica Plano Sharon

O chefe do Exército de Israel manifestou reservas sobre a proposta do premiê Ariel Sharon de adotar medidas unilaterais caso o processo de paz com os palestinos fracasse em entrevista neste domingo ao jornal Haaretz.

Os comentários do tenente-general Moshe Yaalon, divulgados pelo jornal liberal israelense, juntam-se às críticas que quatro ex-chefes da segurança israelenses fizeram recentemente às duras políticas de Sharon em relação aos palestinos.

Questionado sobre a reportagem, um porta-voz do Exército disse que os militares não comentam declarações particulares. Em comentários feitos na quinta-feira, Sharon disse que poderia tomar medidas unilaterais, incluindo o desmantelamento de assentamentos judaicos isolados.

Segundo o jornal Haaretz, o “Plano Sharon” prevê Israel desenhando unilateralmente a fronteira de um Estado palestino na Faixa de Gaza e em menos da metade da Cisjordânia, em espaço menor do que o reivindicado pelos palestinos.

Yaalon acredita que a retirada unilateral de assentamentos dará apoio ao terror e deveria ser feita somente como parte de uma acordo de paz abrangente.

O Haaretz disse que Yaalon acredita que o Exército deveria primeiro sair de “cidades tranquilas” da Cisjordânia, como modo de recompensar os palestinos e abrir caminho para um futuro acordo.

Yaalon, em desafio à política do governo, disse recentemente em entrevistas a jornais que as duras restrições de movimentação dos palestinos apenas aumenta o apoio a militantes.

Suas declarações o reforçam os pedidos em Israel e no exterior para Sharon acabar com a violência e levantar o status dos moderados palestinos através de ação contra os colonos e fim de bloqueios impostos a cidades palestinas.

Israel também sofre críticas internacionais por construir uma barreira dentro da Cisjordânia que, afirma, é uma cerca de segurança para impedir a entrada de homens-bomba palestinos. Os palestinos dizem que a barreira rouba suas terras.

Neste sábado, o premiê palestino, Ahmed Qurie, encontrou-se com o enviado dos Estados Unidos, William Burns, pela primeira vez desde que assumiu o cargo, no início deste mês. Burns deverá reunir-se com líderes israelenses no domingo.

Burns prometeu que os Estados Unidos continuarão tentando colocar o processo de paz de volta aos trilhos, de acordo com comunicado de imprensa emitido após o encontro com Qurie.

Sharon prometeu reunir-se com Qurie para reativar o “mapa do caminho”, que prevê medidas recíprocas para a criação de um Estado palestino até 2005, mas disse que a paciência de Israel é limitada.

Neste sábado, Qurie disse que não há necessidade de negociar com Sharon enquanto Israel continuar construindo a barreira. Uma autoridade graduada israelense disse que Sharon está disposto a encontrar-se com Qurie a qualquer momento, mas que Israel não deixará de construir a barreira.